Estreia na próxima terça-feira dia 11 pela nossa pagina no Facebook..

Estreia na próxima terça-feira dia 11 pela nossa pagina no Facebook..

POPULARIDADE DOS GOVERNADORES

Recente pesquisa feita pelo Instituto Paraná Pesquisas sobre a avaliação dos 27 governadores deixou algumas surpresas. Entre os dez primeiro colocados alguns estão no primeiro mandato.
A primeira delas foi o 1° colocado, Renan Filho(PMDB), governador de Alagoas. Filho de Renan Calheiros, o jovem já foi Prefeito da cidade de Murici no interior do Estado. Apesar de carregar o peso do sobrenome, Renan Filho se destaca pela independência com relação ao pai. Dizem que prefere não destacar o sobrenome Calheiros em seu marketing politico. Seu governo vem marcando forte atuação na área da segurança pública e é um dos fatores para a boa avaliação por parte da população, já que Alagoas é um Estado pobre e com altos índices de criminalidade. Apesar do bom desempenho, Renan Filho está sendo investigado pela Operação Catilinárias, braço da Lava Jato, sob suspeita de receber dinheiro de empresas investigadas para campanha eleitoral. Em plena crise política, onde a grande maioria dos partidos possuem históricos com a corrupção, ter um governador filho de um corrupto nessa posição é realmente uma surpresa tamanha.
A segunda surpresa dessa pesquisa foi a posição do governador Paulo Câmara. O mesmo ficou na 8° colocação e analisando os pormenores do seu primeiro ano à frente do nosso Estado, concluo na minha opinião que tal posição foi uma conquista. Vejamos porque.
Todos sabem que Paulo Câmara foi idealizado pelo ex-governador Eduardo Campos, e caso eleito, Paulo seria assessorado pelo padrinho político. Mas o destino foi traiçoeiro e elegeu Paulo sob uma tragédia que abalou Pernambuco e deixou todo grupo político órfão.
Paulo sofre ainda com uma grave crise financeira onde o Estado se encontra endividado, muito embora esteja no limite prudencial de endividamento. Pernambuco sofre menos que Estados ricos como o Rio Grande do Sul que se encontra quebrado e sem perspectivas à longo prazo. Segundo economistas, isso se deve porque a gestão de Eduardo fez o dever de casa, pois era pautada por metas e prazos à serem cumpridos sendo monitorados todas as áreas prioritárias ou não. Mesmo com críticas da oposição, Pernambuco segue enfrentando a crise. Paulo também é alvo de constantes ameaças de greve de servidores, como exemplo a polícia Civil, além de ter aumentando os índices de violência afetando dessa forma o Pacto pela Vida, um dos principais programas da gestão anterior, a qual Paulo ocupou a Secretaria de Turismo e da Fazenda.
Mesmo sendo neófito na política, Paulo tem demostrado habilidade no tratamento com lideranças. Aprendeu rapido na escola eduardista e isso têm contado à seu favor. Segundo pessoas próximas, ele mantém a mesma disposição que seu líder tinha para tratar da gestão pública, e mesmo não sendo de família tradicional na política ou histórico em partidos, está aos poucos conseguindo se manter como principal nome do PSB no Nordeste. Vale aquela máxima: "é na crise que se tira as melhores lições".
FILIPE LUCENA acadêmico de direito